Search your favorite song right now

1. MARIA DE ACHA reel, 2014/15

  • Published: 2015-01-02T20:27:51+00:00
  • Duration: 207
  • By Maria de Acha
MARIA DE ACHA reel, 2014/15

Videobook 2014/2015 Bailarina: Maria de Acha Edición: Marta Romero www.martaromerocoll.com


2. Nascimento Pedro - Parto Domiciliar

Nascimento Pedro - Parto Domiciliar

Você que viu o trailer da chegada do Pedro e se emocionou, agora o vídeo completinho! ❤ Para começar a semana com o coração cheio e inspirar as gestantes que acompanham o nosso trabalho! Ahhh e pra você que acha que não dá pra ter um parto natural depois de uma cesárea, dá uma olhadinha! Parto lindo, intenso, respeitado, humanizado! Equipe: Priscila Maria - parteira Giovana Françani - parteira Visiane Batista - parteira Gisele Leal - doula Thaís Maruoka da Silva - edição e videomaker ------ Este vídeo foi feito pela Instinto Fotografia e Vídeo de Parto Natural. Conheça mais o nosso trabalho: www.instintofotografia.com.br E curta nossa fanpage para acompanhar informações importantes sobre parto humanizado e empoderamento feminino!! facebook.com/instintofotografia instagram: @instintofotografia


3. TÉCNICA DEL IMPACTO Y LA GRAVEDAD Release áereo

  • Published: 2015-03-27T17:51:27+00:00
  • Duration: 207
  • By Hannes Stoll
TÉCNICA DEL IMPACTO Y LA GRAVEDAD Release áereo

TÉCNICA DEL IMPACTO Y LA GRAVEDAD Release áereo MAURO BARAHONA (CHILE- BARCELONA) [email protected]om http://maurobarahona.blogspot.com.es VÍDEO / TRAILER: HANNES STOLL AGRADECIMIENTO A: MARÍA JOSÉ CONDE OSWALDO GONZÁLEZ CLAUDIO ROJAS MARÍA DE ACHA JORDI INGLADA MARIA PALLARES EVA CORDÓN ANTONIO IZQUIERDO ALEX SANZ BEA MORALES PILAR ARQUER LETICIA PLANS DANIEL MÉNDEZ CRISTINA ROMERO NÙRIA CLEMARES ESPACIO SUSURRO - BARCELONA.


4. Move Away - The last breath of love

  • Published: 2015-06-09T08:02:35+00:00
  • Duration: 311
  • By Press Rec
Move Away - The last breath of love

`Move Away´ is a dance video staging the last moments of a couple's relationship through a choreography that happens within the limited space of a car. L.A artist Marz León with his song `Levitation´ and the fashion brand 11byBBS have contributed in this project. Official selection in InShadow International Festival of Video, Performance and Technologies 2106, Lisbon. Official selection in Bestias Danzantes Festival de Cine de Danza 2106, Chile. Official selection in ScreenDance Festival 2016, Stockholm. Official selection in Loikka Dance Film Festival 2016, Helsinki. Official selection in [C]Screen Festival Cerdanyola 2016, Spain. Official selection in Fiver International Screendance La Rioja 2016, Spain. Winner film for the Choreoscope International Dance Film Festival 2015, Barcelona. Official selection in VideoMovimiento Video Dance Festival 2015, Colombia. Produced by Press Rec Choreographers and Dancers: Pere Joseph Vilaplana, Maria de Acha. Concept and Direction: Ch.Martínez Production: Ane Guerra Director of Photography: Manuel Ruiz Mz 1st Assistant Camera: Fran Molero Editor: David Vilalta, Ch.Martínez Art Director in Set: Nuria Guardia Music: Marz León Clothes: 11byBBS Styling: Sergio SV Hairdresser: Ivan Espinoso Credits Design: Jorge León Special Thanks: Boris Bidjan Saberi, Israel Frutos, Quim Barriach, Marz Léon, Guy Pérez, Raúl Castro, Martin Gomensoro, Nevathedog. www.pressrec.tv www.soundcloud.com/marzxleon www.11bybbs.com/


5. De Norte a Sur

  • Published: 2016-10-14T12:41:37+00:00
  • Duration: 223
  • By Marta Romero
De Norte a Sur

Barcelona-Berlín, 2016 (videodanza) Dirección: Frederic Mas Coreografía y baile: Maria de Acha y Helena Canas Vestuario: Miriam Ponsa Fotografía: Boris Feauveau Cámara: Marta Romero Estilismo: Nú de Nú Edición: Martí Alharilla Música: Ghostpoet Diseño de sonido: Sergi Virgili Diseño de créditos: Clara Subirats Colorista: Yulia Bulashenko Producción: Frederic Mas & Iksvy


6. Antimuseo

Antimuseo

24 y 29/11/2011 La Trasera. Facultad de Bellas Artes UCM. coordinan Tomás Ruiz-Rivas María María Acha https://extensionbellasartes.wordpress.com/2011/11/28/antimuseo/ www.antimuseo.org www.ojoatomico.com


7. DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 3)

  • Published: 2010-11-07T20:15:20+00:00
  • Duration: 717
  • By Antimuseo
DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 3)

Segundo Encuentro: ARTE FRENTE AL FEMINICIDIO 26, 27, 28 y 29.04.10 Centro Cultural de España en Guatemala http://www.antimuseo.org/signos/2doencuentro.html BELLAS DURMIENTES es un proyecto de arte comunitario creado por María María Acha y usado como herramienta política para contribuir a la lucha contra la violencia de género. http://www.ojoatomico.com/bellasdurmientes


8. {O nascimento de Maria Lara} - Parto Humanizado - Karol Felicio Fotografia de Parto

{O nascimento de Maria Lara} - Parto Humanizado - Karol Felicio Fotografia de Parto

Então, o bebê nasceu. Todos cuidam do bebê. Então, uma mãe ainda está nascendo. Quem cuida da mãe? O nascimento de uma mãe é construção, dia a dia, dias. Semanas, meses, anos. A cada noite sem dormir, a cada refeição pulada, a cada banho interrompido. Mas também a cada sorriso do bebê, depois daquela longa mamada, ao perceber aquele olhar atento, ou a cada gargalhada, a cada carinho que aquela mão pequenina faz ao deslizar na nossa costela. Todos os minutos, dias, semanas, anos, a mãe nasce mais um pouco. Aprende mais um pouco. Talvez a gente só acredite que aprendeu tudo quando vê a nossa filha se tornar mãe, dar à luz a cria dela. Às vezes essa é a hora que a mãe percebe o quanto já sabe e o quanto tem a ensinar. Mas às vezes está tudo tão diferente que a mãe acha que não sabe mais nada, são outros tempos, tantas teorias. Não importa. Antes de avó, é ela quem ainda está lá, a mãe. A mãe que cuida da mãe. Porque é dela, genuinamente, o papel de cuidar daquela mãe, que acabou de nascer, enquanto todos olham para o bebê. Enquanto a filha, agora mãe, vai olhar para os olhos da sua mãe e resignificar. É tempo de reflexão, entendimento, perdão, conexão, agradecimento. Só uma mãe olhando nos olhos de outra mãe entenderá. O nascimento da bebê Maria Lara, da mãe Josi e da vovó Maria Lara.


9. NAGUISA DANZA I

  • Published: 2016-04-17T11:39:10+00:00
  • Duration: 32
  • By Naguisa
NAGUISA DANZA I

María de Acha baila para Naguisa. El clásico modelo Soc de Naguisa de siete cintas acompañan a María en su danza contemporánea.


10. El síndrome de Julieta (audiovisual II)

  • Published: 2013-06-14T11:22:37+00:00
  • Duration: 149
  • By Xavier Pàmies
El síndrome de Julieta (audiovisual II)

Audiovisual projectat en el muntatge El síndrome de Julieta. Una peça pensada i dirigida per Mauro Barahona. Intèrprets: Constanza Álvarez, Georgina Amat, Núria Clemares, María De Acha, Eduard Bosch, Mauro Barahona, Oscar Mellado i Xavier Pàmies. Audiovisuals, tràiler i muntatge: Marta Romero Coll Assistents de realització & postproducció: Raquel Lamelo, Miriam Bou, Susana Acua // Música: Volans Fotografies: Marta Romero y Sergi García Estètica: Fátima Valldeperas Assistents d'escena: Jessica Llano, Eva Cordón Col·laboren: La Trama Produccions i Área Espai de Dansa i Creació


11. DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 1)

  • Published: 2010-11-05T14:23:25+00:00
  • Duration: 801
  • By Antimuseo
DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 1)

Segundo Encuentro: ARTE FRENTE AL FEMINICIDIO 26, 27, 28 y 29.04.10 Centro Cultural de España en Guatemala http://www.antimuseo.org/signos/2doencuentro.html BELLAS DURMIENTES es un proyecto de arte comunitario creado por María María Acha y usado como herramienta política para contribuir a la lucha contra la violencia de género. http://www.ojoatomico.com/bellasdurmientes


12. DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 2)

  • Published: 2010-11-07T16:43:51+00:00
  • Duration: 569
  • By Antimuseo
DEBATE: BELLAS DURMIENTES / MARÍA MARÍA ACHA (Parte 2)

Segundo Encuentro: ARTE FRENTE AL FEMINICIDIO 26, 27, 28 y 29.04.10 Centro Cultural de España en Guatemala http://www.antimuseo.org/signos/2doencuentro.html BELLAS DURMIENTES es un proyecto de arte comunitario creado por María María Acha y usado como herramienta política para contribuir a la lucha contra la violencia de género. http://www.ojoatomico.com/bellasdurmientes


13. El espectáculo del día 185 - UN DÍA DE VERANO. 18-03-14

El espectáculo del día 185 - UN DÍA DE VERANO. 18-03-14

Funciones: Jueves, 21:00 hs. TEATRO DEL ABASTO, Humahuaca 3549, Buenos Aires. Actuación: María Ibarreta, María Duplaá, Fabián Carrasco, Fabiana Falcón, María Eugenia López y Juan Manuel Castiglione. Dirección: Alfredo Staffolani. Dramaturgia: Jon Fosse. Escenografía y diseño de iluminación: Magalí Acha Diseño de vestuario: Laura Staffolani. Diseño sonoro: Matías Rinaldi. Diseño gráfico: Guillermo Barbuto. Asistente de producción: Rocío Pérez Silva. Producción: Fabio Petrucci. Producción general: Clara Pizarro. Prensa: Marisol Cambre. Asistente de dirección: Bruno Ulisse.


14. Reactivación Galería Mari Boom - gopro version

Reactivación Galería Mari Boom - gopro version

- Acción de guerrilla artística feminista - Reactivación de la Galería Mari Boom - 13 de Junio de 2018 - Homenaje a Patricia Gadea. Artistas guerrilleras: María María Acha-Kutscher, Carmen Alvar Beltrán, Marta Beltrán, Nuria Carrasco, Clara Carvajal, Aurora Duque de la Torre, Sandra Gamarra, Carmela García, María Gimeno, ^Klamca^, Diana Larrea, Jana Leo, Paula Noya, Gloria Oyarzabal, Verónica Ruth Frías, Marina Vargas y Ana Villamuza. Música: dra. barracuda Raxet1 https://soundcloud.com/albahacassette/dra-barracuda-raxet1 Idea video, grabación y montaje ^klamca^ http://klamca.com/ Más info: http://www.ahmagazine.es/la-galeria-mari-boom/


15. El Síndrome de Julieta, trailer.

  • Published: 2013-02-27T22:02:41+00:00
  • Duration: 265
  • By Marta Romero
El Síndrome de Julieta, trailer.

CIA.PROYECTOEXPERIMENTAL: Proyecto secreto (-El Síndrome de Julieta-) un accidente interdimensional. _Sinopsis: una obra que trata de los portales y los viajes mentales. Es una pieza que quiere y pretende resumir los acontecimientos que marcaron a toda la generación de los 70, donde a través de un viaje mental y dimensional los personajes pasan por diferentes recuerdos y estados que acontecieron en los años 70 como: los egos instalados e impuestos por la sociedad, la educación estricta y castradora, los istmo y el fanatismo exagerado de toda una generación extrema, la derecha que se imponía con golpes de estados y finalmente los experimentos secretos de alta tecnología de estado que a través de conspiraciones secretas involucraban peligrosamente a la humanidad. Hasta llegar finalmente al paralelismo de Julieta donde decide viajar y transcender a la muerte. _Equipo: Idea y dirección: Mauro Barahona Intérpretes: Constanza Álvarez, Georgina Amat, Núria Clemares, María De Acha, Eduard Bosch, Mauro Barahona, Oscar Mellado i Xavier Pàmies. Audiovisuales & Trailer: Marta Romero Asistentes de realización & posproducción: Raquel Lamelo, Miriam Bou, Susana Acua // Música: Volans Foto: Marta Romero y Sergi García Estética: Fátima Valldeperas Asistentes de escena: Jessica Llano, Eva Cordón Colaboran: La Trama Produccions y Área Espai de Dansa i Creació PRÓXIMA FUNCIÓN: 9 de marzo en nunArt BCN Gràcia


16. El síndrome de Julieta (audiovisual I)

  • Published: 2013-06-14T10:12:12+00:00
  • Duration: 315
  • By Xavier Pàmies
El síndrome de Julieta (audiovisual I)

Audiovisual projectat en el muntatge El síndrome de Julieta. Una peça pensada i dirigida per Mauro Barahona. Intèrprets: Constanza Álvarez, Georgina Amat, Núria Clemares, María De Acha, Eduard Bosch, Mauro Barahona, Oscar Mellado i Xavier Pàmies. Audiovisuals, tràiler i muntatge: Marta Romero Coll Assistents de realització & postproducció: Raquel Lamelo, Miriam Bou, Susana Acua // Música: Volans Fotografies: Marta Romero y Sergi García Estètica: Fátima Valldeperas Assistents d'escena: Jessica Llano, Eva Cordón Col·laboren: La Trama Produccions i Área Espai de Dansa i Creació


17. Introdução à  cultura contemporânea

Introdução à  cultura contemporânea

stop-motion animacion (desenho e recortes) technique: Cut-out realização/filmmakers: Maria Carlos Cardeiro e Maria Miguel Cardeiro acção: Esta animação não será mais que a história de um individuo que fora posto à  fora na nossa sociedade actual e consequente cultura (assim intitulada contemporânea). Sujeito  às regras da sociedade desde que nasce, a personagem no final acha um meio de escape, porém vê-se de tal forma "enraizado" nessa cultura que lhe é impossível fugir e atravessar o buraco. ________________ A short animation film, which tell us the story of a man who is pushed to our society and culture. In the end - he tries to get off but there's something wrong....


18. Residencias R.A.R.O | Gabriela Acha "RESERVA"

  • Published: 2016-08-05T14:57:28+00:00
  • Duration: 271
  • By somos_RARO
Residencias R.A.R.O | Gabriela Acha

Acá está!! Les compartimos el video sobre lo que fue la residencia de Gabriela Acha​ el pasado mes de Junio en la ciudad de Buenos Aires. Gabriela trabajo en Espacio Camargo​ de María Colombo​ y en el Taller de Hernan Rojo​. Para la muestra final, ademas de los artistas involucrados en la residencia, tuvimos el agrado de poder sumar a los artistas Sebastian Bona​ de Rosario y Leni Lenii​. Queremos agradecer al Fondo Nacional de las Artes​ por hacer posible estas residencias, al equipo de Allaria - Nieto​ por el apoyo y la curaduría, y a todas las personas que nos acompañaron en el proceso. Video gracias a: Camila Gómez​ Disfruten!!


19. Christian Barbosa no Mais Você [2/3/2012]

  • Published: 2012-03-29T20:37:19+00:00
  • Duration: 515
  • By Equipe TriadPS
Christian Barbosa no Mais Você [2/3/2012]

A falta de tempo é um dos problemas que atingem grande parte da população mundial. O Mais Você desta sexta, 02 de março, abordou este tema. O programa ouviu dicas de especialistas que deram dicas valiosas para a população sobre como administrar melhor o tempo. Primeiramente, a equipe de reportagem percorreu as ruas para ouvir a população e, por unanimidade, ficou evidente que a falta de tempo atinge às pessoas: todas elas disseram que precisariam de mais horas durante o seu dia, para várias atividades extras. O filósofo Mário Sérgio Cortella fez uma análise em relação à pressa. Ele contou que o avô dele dizia que quem corre demais no dia a dia perde muito tempo e a pressa pode ser uma falta de planejamento. Ana Maria ainda mostrou dicas do especialista em gestão de tempo e produtividade, Christian Barbosa. "Ele escolheu essa profissão justamente porque, um dia, de tanto correr, de tanto acumular tarefas, ele adoeceu e teve até um câncer", destacou a apresentadora. Christian enumerou uma série de atividades que envolvem organização. Ele aconselhou as pessoas a escreverem suas tarefas com antecedência. Outro ponto tocado por Christian é priorizar atividades no dia a dia. Ele ainda disse que não adianta querer "abraçar o mundo" sozinho dentro da empresa. "Se você acha que só você consegue fazer determinada atividade, você nunca vai crescer, pois vai passar a vida inteira fazendo a mesma coisa", contou ele. Christian ainda ressaltou que as mulheres tendem a abandonar as atividades que lhes dão prazer em função dos deveres, enquanto os homens sabem se colocar em primeiro lugar e curtir os momentos de lazer. [Mais Você - Rede Globo - 2/3/2012 - http://maisvoce.globo.com/MaisVoce/0,,MUL1678827-10345,00.html]


20. Telepresença

Telepresença

Corpos Informáticos Maria Beatriz de Medeiros * Introdução A tecnologia da videoconferência via rede mundial de computadores viabiliza a linguagem artística Performance em telepresença: são corpos descorporificados se comunicando, se movendo, se encontrando na rede mundial de computadores: presenças espectrais capazes de performance, capazes de intersubjetividade. O Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos (GPCI) formou-se na Universidade de Brasília (Brasília) com pesquisadores, professores e alunos dos cursos de Artes Visuais e Artes Cênicas, em 1992. A preocupação central desta pesquisa, teórica e prática, em Arte Contemporânea, é o corpo humano mediado por tecnologias: o corpo humano atual, desde a mais tenra idade, cotidianamente transpassado por técnicas, imperceptíveis ou não; o corpo do outro que da mesma forma se constrói; a imagem de outros corpos (espectros), que também nos tornam conscientes de nossos próprios, imagem impressa, transmitida, distorcida, corrigida..., essa que se torna objeto de desejo, desejo de ser, desejo de tornar-se, mas também desejo de manipulação, de possessão; nossos corpos e suas próteses sejam elas meios de locomoção, de leitura, de visão, de audição ou de criação, todas elas mais ou menos interativas; enfim corpos constantemente redimensionados por novas tecnologias, logo novos corpos e novas consciências. Uma reflexão sobre este amálgama corpo-tecnologia é o que vem realizando o Grupo de Pesquisa Corpos Informáticos. Da Arte da Performance O próprio da linguagem artística Performance é acontecer na vida em presença real e em tempo real, e estar aberta à participação do público, por vezes tornando-o co-autor. A tecnologia do vídeo permite que a performance se dê, em tempo quase real, e em presença fantasmal, presença espectral que denominamos telepresença. O interesse da tecnologia numérica na rede dita de comunicações, Internet, é a possibilidade da performance ser interativa em tempo real; aspecto onde esta tecnologia se encontra, mais plenamente, com a linguagem artística Performance. Em uma web-conferência, a rede dita de comunicações, na realidade rede de informações, torna-se rede de comunicações através da possibilidade de interação. Nossa investigação é sobre a possibilidade de um "corpo informático", de um "corpo-carne numérico", possibilidade de sobrevivência de um corpo sensual, tornado imagem, ou melhor, um corpo tornado presença apenas pelo bombardeamento de raios luminosos gerando sensação de movimentos, possibilidade de interação efetiva. Desejo de presença real. Será que perceber que o desejo do outro existe já é capaz de gerar prazer, será que perceber que o desejo do outro, por mim, existe já é capaz de prazer estético? O belo, se dá na imagem do outro na tela do monitor, ou se dá no meu saber que aquele, outro, está ali, por desejar estar comigo? Possibilidade de estar junto sem ser fisicamente real, no entanto estando presentes. Corpo real, ausente, presente pela tele-performance. Do nosso ponto de vista, concordando com Mikel Dufrenne, diríamos que a estética é aquilo que diz respeito aos sentidos, que os envolve, os impregna, aquilo que dá prazer, mas também aquilo que dá desprazer. O desprazer também mobiliza os sentidos, também nos impregna da carne do mundo. Pensamos, neste momento no fotógrafo Witkin que, creio, permite experimentar a carne do mundo, uma carne do mundo que nos toma de assalto deixando-se possuir em um desprazer arrasador. Fred Forest, artista contemporâneo trabalhando com arte e tecnologia, assim se refere à estética: “Segundo a etimologia, o termo estética designa o conhecimento do “sensível”. Não se trata de dissertar longamente sobre uma categoria abstrata. A estética reivindica o projeto de apreender aquilo que constitui, para uma sociedade dada, a um momento dado de sua própria história, (...), o mundo que lhe é sensível.” 2 A que mundo somos sensíveis hoje? A que o mundo é sensível neste momento histórico? Indivíduos cada vez mais isolados em cidades cada vez mais violentas, frente a seus computadores: local de trabalho, local de lazer, local de encontro. E-encontros, e-comunidades. Arte na rede. Breve histórico O GPCI realizou, desde sua fundação, performances, intervenções urbanas, pesquisa em web-arte (www.corpos.org), além de textos (www.corpos.org/papers) e diversas participações em Congressos nacionais e internacionais. Nos últimos quatro anos temos nos concentrado na pesquisa em Performance em telepresença: Performance Art utilizando-se de tecnologias para videoconferência. (www.corpos.org/telepresence , www.corpos.org/telepresence2 e www.corpos.org/teleperformance ) A Arte da performance é evento (happening), acontece ao vivo, arte efêmera, presença física, e abertura à participação do público. No entanto Performances em telepresença acontecem na rede mundial de computadores: corpos desterritorializados se reorganizando (re-órgãos) em monitores dispersos no mundo. Rede, dita, rede de comunicação, mas de fato rede de informações. Na Performance em telepresença subjetividades conectadas em tempo real geram Arte em grupo numa verdadeira comunicação: interlocução. Performances em telepresença acontecem "centradas" em galerias, teatros ou unicamente na Internet. O local citado, o centro, é apenas a base, as Performances em telepresença acontecem na rede mundial de computadores e são abertas a todo internauta, artista ou não. Todo participante é criador da obra. Quando têm um ponto físico de concentração do trabalho, com público presente, são instalações complexas que envolvem computadores, projetores, câmeras de vídeo, performers, além de fotografias, plotters, vídeos-arte, sons pré-gravados, etc. Diversos softwares foram experimentados: Net Meeting, CUSeeMe, Ivisit, entre outros. O Ivisit (www.ivisit.com), programa que temos utilizado ultimamente, é um programa de vídeo-conferência gratuito onde usuários podem compartilhar, em tempo real, imagem, vídeo, som, texto, mensagem e sítio, por Internet ou Intranet, permitindo até 20 internautas em cada sala. Qualquer pessoa pode criar sua sala. Para Performances realizadas com um local de base ou apenas por Internet, são confeccionados convites impressos e eletrônicos. Para Performances realizadas apenas por Internet são feitos apenas convites on line. Podem participar de ambos convidados e internautas. Jamais agimos como moderadores retirando das salas internautas, sejam eles simples curiosos ou exibicionistas. Para alcançar um maior número de participantes on line, permanecemos em performance, em geral, por muitas horas seguidas. Como dizemos, desde 1999 temos realizado Performances em telepresença via rede mundial de computadores, mas de fato, desde 1998 realizamos exposições com vídeo-performance em telepresença, com câmeras de vigilância, antenas transmissoras e televisores (exposição "Incubadora", Galeria da Caixa, Brasília). As mais marcantes participações do Corpos Informáticos com Performances em telepresença, via rede mundial de computadores, em exposições coletivas foram: Bienal do MercoSul (Porto Alegre, 1999), [email protected] (Atenas, Grécia, 2000), FILE (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, MIS, São Paulo, 2000 e 2001), Festival de Arte de Frankfurt (2003). Como exposições individuais gostaríamos de ressaltar: Intrasite (Montreuil, França, 1999), InfoPorto (Brasília, 1999), Galeria da Caixa (Brasília, 2002), Teatro do Centro da Terra (São Paulo, 2002). Realizamos em 2000 e 2001 diversas Performances em telepresença apenas on line: este é o meio desta linguagem! No entanto, nem o mercado de Artes, nem o jornalismo, nem os próprios pares estão preparados para trabalhos realizados apenas virtualmente: faz-se necessário, ainda, a fisicalidade para o reconhecimento do trabalho. A partir de 2000 estes trabalhos realizados via rede mundial de computadores nos levou a entrar em contato com artistas com linhas de pesquisa similares e excelentes colaborações estão no momento em pleno desenvolvimento. Gostaríamos de lembrar nossa colaboração com Daniel Seda e grupo Neo-Tao com os quais, em 2002, estivemos quase duas semanas seguidas on line: primeiramente o Corpos Informáticos como convidado do Neo-Tao e na semana seguinte o Neo-Tao como convidado do Corpos Informáticos, ambos espetáculos tendo como base o Teatro do Centro da Terra (São Paulo). Outro trabalho no qual participamos, em 2002, foi coordenado pelo professor Doutor, pesquisador, escritor e diretor teatral Renato Cohen e teve Paulo Costa como designer. Esse evento, denominado "Constelação" (http://www.sescsp.org.br/sesc/hotsites/constelacao/) teve como base o SESC-SP e dele participaram Maura Baiocchi, Lali Krotozinski, Johannes Birringer, Luisa Donati, Wilson Sukorski, Lucio Agra, Vanderlei Lucentini, Grupo Neo-Tao, Corpos Informáticos e outros. A duração do espetáculo em São Paulo foi de 12 horas. Desde 2002, estamos participando de um trabalho de performance em telepresença coordenado por PhD professor e artista Johannes Birringer. Esse conecta cinco cidades americanas (Columbus, Ohio; Tempe, Arizona; Salt Lake City, Utah; Madison, Wisconsin; Detroit, Michigan) e o Brasil (Brasília e/ou São Paulo). (http://www.dance.ohio-state.edu/workshops/ips17.html). Aqui é utilizado video streaming (Quick Time) e Ivisit. São espetáculos, marcados e minutados, que acontecem de fato nas salas de ensaio americanas. O cenário é composto por diversas telas onde são projetadas as imagens enviadas pelos outros participantes. Inúmeros e mails organizam o tempo de duração da ação, materiais, tema, texto, etc. O video streaming permite que um local envie suas imagens enquanto o outro recebe e vice-versa, no entanto, diferentemente do trabalho realizado com o Ivisit, não há uma sala onde todos estejam, onde se veja todos os participantes simultaneamente. Uma outra diferença é a impossibilidade de participação de internautas não convidados. O Ivisit vem sendo regularmente modificado e atualizado, seus gestores têm dificultado a participação de internautas quaisquer nas salas, mas o Corpos Informáticos acha essa permissividade interessante para enriquecimento do trabalho através da participação improvisada do “público”. Gostaríamos de destacar também o trabalho realizado sob a direção de Marie-Christiane Mathieu, artista canadense. “L’accélerateur. Fusion des codes” foi apresentado no Festival de Cinema e Novas Mídias (FCMM) de Montréal e no México, em 2003. Partindo de temas propostos por Mathieu, foram feitos encontros de artistas envolvidos com o projeto no iVisit (sala arts/choral/monument) com troca de imagens em movimento. Em seguida cada artista transformou as imagens ou vídeos trocados, com diferentes programas, e enviou as criações de volta para Mathieu que vem publicando o site www.ontogenetic.org, contendo o trabalho efetuado pelo grupo. Nosso conhecimento da proposta, toda a organização, nossa participação deu-se totalmente on line. Trabalho em grupo "O carinho é despertar para a intersubjetividade". Luce Irigaray Nossa investigação sobre a possibilidade de um corpo informático, a possibilidade de um corpo-carne numérico, só pode acontecer em grupo, no seio de um grupo que se queira nós, um nós originário onde não há anterioridade do sujeito em relação ao outro, onde o outro não é segundo em relação a mim, onde o outro é reconhecido como capaz de "compartilhar" o prazer sentido frente ao belo ou ao feio, belo-feio capaz de dar prazer ou desprazer. O nós deseja o outro, e si-mesmo, capazes de secreções e contaminações. E é somente em um nós, e no nó, que estes contágios, são capazes de gerar heterogeneidade, pluralidade, e desterritorializando o eu arraigado, gerar prazer ou desprazer; fazendo brotar arte. Este nós pode abraçar "uma sociedade dada, a um momento dado de sua própria história." A performance, em geral, se dá no vivo, em tempo real. Com a tecnologia do vídeo esboçou-se a possibilidade dela dar-se, apenas, ao vivo, mediada. Pensamos em Vito Acconci, entre outros. Na vídeo-performance, o espectador (spectatore) não pode tornar-se co-autor, nem parte da obra. Aqui ele é levado ao desejo frustrado de presença, aqui ele é reduzido a ser, com todas as implicações psicanalíticas deste persona. A tecnologia de tele-conferência, softwares que transmitem em "tempo real", principalmente, imagem e texto, permite uma maior participação do público. Aí todos são criadores e, ao mesmo tempo, voyeurs: artista, artistas, e indivíduos isolados ligados à rede. Lembremos, pois nunca será por demais dito, que a rede internacional dita de comunicações, é muito mais rede de informações, já que a comunicação exige interatividade. Todos os sites comerciais, sites sobre museus e galerias, sites sobre universidades, sobre cidades, países, sobre clima, sobre certas vegetações, revistas na internet… ainda que se queiram interativos, não são mais que sites de informação, estando a interatividade reduzida às possibilidades de caminhos a percorrer. (A interatividade permanecerá, por enquanto, um texto a escrever.) O diálogo é interativo; o dito, a resposta, o inesperado, modificam o que está por dizer, o que não será nunca dito. A isto chamamos comunicação. Toda informação está previamente formada (in-forma) é enunciado constatativo, e não se redimensiona para se abrir à comunicação. A televisão, por ser unilateral, é apenas capaz de informação: transmitir mensagens in-forma e de (in)formar. De-formar, re-formar são eventos constantes da comunicação. O encontro na performance em tele-presença é possível, apesar da rudeza da tela, da diagramação, do "espaço" (softwares de tele-conferência) gerado por outros, espaço por nada artísticos em seu aspecto formal. O encontro implica participação efetiva no nós originário, o encontro permite degustar, com todos os sentidos, a carne do outro, dos outros, do mundo, logo ele é capaz de aisthesis, capaz de arte. Hoje, "metro, boulot, dodo" 4 et internet. Hoje, pouco encontro há. Sim, os jovens se encontram nos shoppings, ainda que Zigmut Bauman 5 acredite não haver encontro possível nestes espaços que chama, com Steven Flusty, de espaços de interdição, e de espaços de consumo. Centros comerciais são espaços inteiramente pensados, ordenados, onde as ações de seus frequentadores foram previamente estudadas. Mas Abraham Moles e Elizabeth Rohmer já haviam previnido que as praças, as antigas praças, não eram espaços públicos e, sim, espaços da polícia, organizados e vigiados. 6 Se hoje não há encontro, ou pouco encontro há, isto é devido à correria que o tempo, ou a falta de tempo, impõe; enormes distâncias, grandes engarrafamentos e/ou percursos intermináveis de metrô. Há pressa, me apresso. A rede de comunicações é, cada vez mais, espaço da polícia, no entanto, permite encontro, como em praças e centros comerciais. O encontro virtual é confortável, pode se produzir a qualquer hora, no meio da insônia, nos dez minutos que sobraram entre uma atividade e outra, nas intermináveis horas solitárias das donas-de-casa, dos adolescentes abandonados em cidades desprovidas até de espaços da polícia. Com a televisão não mais somos uma sociedade de massa, massa de indivíduos mas, sim, massa de indivíduos isolados, indivíduos isolados assistindo aos mesmos programas de televisão, com alguma variação devido à prática do "zapping". Agora somos uma massa de internautas isolados, às vezes criando amizades impossíveis com pessoas que vivem do outro lado do mundo. E estas amizades saciam de certa forma: marcam-se encontros e menos tempo há para a casualidade de um encontro real se prolongar, pois "temos um encontro marcado na rede". Inúmeros são estes casos a nossa volta, e moramos no Brasil, onde uma pequeníssima minoria tem acesso à Internet. A massa de indivíduos isolados torna-se massa de indivíduos muito-mais-isolados. A massa de indivíduos isolados gerada pela televisão ainda conversa sobre um mesmo assunto, a novela de ontem, no Brasil. A massa de indivíduos muito-mais-isolados se encontra? Sim, claro, e contam seus encontros virtuais, e rapidamente se vão para seus compromissos virtuais. Paradoxalmente, o diálogo na Internet é entrecortado, o quotidiano parece arrancar o outro do espaço virtual. Ainda que desejo, ainda que prazer, ainda que encontro, a resposta à campanhia é física, imediata, automática, e rompe. Não há urgência na comunicação virtual: ninguém vai embora, ninguém vem, estamos lá-aqui sempre, pois aqui-aí não estamos. A comunicação evolui por síncopes… e grandes encontros. A tele-performance exige presença, e presença, por vezes, rude por causa da diferença de fusos horários. E' ainda o quotidiano que grita, que nos quer; o quotidiano, o palpável tem ciúmes da tele-presença, ciúmes do virtual. No entanto, a tele-presença se revela real, isto é quase-presença, quase-dotada do tocar. Os indivíduos muito-mais-isolados que vivem a tele-presença, permanecem frente aos seus computadores horas a fio. As imagens não são espetaculares, brilhantes, vivas, dinâmicas, "mais-que-reais", como as da televisão. Elas são, em geral, de baixa definição, sem contraste, quase imóveis. Não será, talvez, este lado "caseiro", incompleto, imperfeito, porém possível, destas imagens que gera o interesse em indivíduos acostumados ao bombardeio de imagens "mais-que-reais", mais belas que o real, vindas de locais inacessíveis? "… apreender… o mundo que lhe é sensível", disse Fred Forest. O mundo é insensível às necessidades, desejos, ânsias de cada pequeno indivíduo, de muitíssimos indivíduos, senão quase todos. Ou ainda, os indivíduos apenas podem necessitar o que lhes é inculcado, seus desejos se restringem ao que é vendido pela televisão (e pela Internet) –realmente vendidos ou subliminarmente vendidos-, seus anseios são saciados em eco-turismos intocáveis, viagens "culturais", academia, silicone nos seios e nádegas, cirurgia plástica ou em drogas –proibidas ou não-. A imagem de baixa definição, quase imóvel, fala ao indivíduo muito-mais-isolado, e permite resposta, comunicação, necessariamente bi-direcional, podendo ser multi-direcional. Voltemos à Dufrenne, na performance em tele-presença há contemplação de um ponto de vista pouco privilegiado (as câmeras de vídeo são extremamente redutoras), aí penetrar é impossível fisicamente, vagar é o que mais se faz (a comunicação dá-se por fragmentos – imagem e texto fragmentados), o ar sentido é o não-vivo, geralmente não há sol, nem pássaros, nem odores senão seus próprios, chegar à comunhão carnal com todas as zonas erógenas do sensível também não é possível realmente. No entanto, a performance em tele-presença permite contemplação e comunicação, penetração no âmago do desejo do outro e no desejo que se revela em si. A telepresença permite vagar vagabundos ousados, pois na realidade pouco tempo resta para vagar. O frio, buzinas e fedores são esquecidos em prol da comunhão virtual. O brasileiro não suporta as distâncias… a distância gera desejo de encontro, encontro capaz de prazer estético. Ainda que o corpo informático, ainda que o corpo numérico seja uma imposibilidade, ou uma "incompossibilidade" (Deleuze), ele é capaz de quase-performance, capaz de comunicação de afecto, capaz de revelar ressonâncias do inarticulado (Wittgenstein). O corpo informático degusta, e é degustado, com "a maior parte dos sentidos, que são solidários entre eles" (Dufrenne). Artista, obra, público são elementos estéticos da Performance. O quarto elemento estético é o tempo. A performance artística se dá no tempo, sua efemeridade é condição. Os registros permanecerão registros, e, por permanecerem, estarão semi-mortos, ainda que capazes de leves ressonâncias. Os registros são apenas obscuro reflexo, eco ensurdecido de um prazer para sempre estancado. “A arte conserva, e é a única coisa no mundo que se conserva. Ela conserva em si (quid juris?), ainda que, de fato, ela não dure mais que seu suporte e seus materiais (quid facti?),… Aquilo que se conserva, a coisa ou a obra de arte, é um bloco de sensações, isto é, um composto de afectos e perceptos.” 7 No fim, de fato, a performance estará irremediavelmente finda. Conservar-se-á a lembrança do hálito da carne do nós originário. A saudade faz mal e… desejo de tele-performance. O corpo presente O corpo implica primeiramente consciência de si. Esta só se dá através do outro. O Outro, espelho distorcido e inalcansável, me torna sabedora de mim mesma. É através do outro que me conheço, me conheço como diferente e construo minha particularidade a partir desta diferença, me torno sujeito único, subjetividade tão lacrada em mim mesma quanto este outro. Desta solidão incomensurável de minha consciência espremida nas bordas de meu corpo advém a necessidade vital de comunicação. Grito para tocar este outro. Mônada (Leibniz)? Não, na mônada não cabe a comunicação. A comunicação é a possibilidade mesma da intersubjetividade, alimento, tanto de meu corpo, quanto única forma de construção do pensamento. O corpo humano é carne e suas secreções, seus movimentos e lamentos, risos e acenos; o corpo humano é residência da subjetividade, e neste permaneço enclausurada. Segundo Levinson, comunicação e transporte coincidem, pois a comunicação exigiria presença. Mas os suportes terciários vêm, através da descorporificação mais ou menos aguda, permitir sustentar a lacuna da ausência do outro. No retrato de sua mãe, Roland Barthes tece longo desejo de presença, revelado e saciado na fotografia. A comunicação é impossível, já que só Barthes vê e "compartilha" com sua mãe seus pensamentos teóricos sobre a fotografia. Esta última permanece parte espectral, sem a palavra, da pretensa comunicação. A televisão e outros objetos temporais O rádio e a televisão foram chamados de meios de comunicação, no entanto, comunicação implica interação entre subjetividades. O rádio e a televisão são meios de informação. O telefone e a internet em tempo real (apenas texto – chats - e telepresença) permitem comunicação. Ambos exigem um parceiro e participação: fazer parte de forma ativa. Aqui, comunicação e transporte coincidem: via telefone há teletransporte da voz, via internet há teletransporte da imagem em movimento e da voz. Umberto Eco, em Kant e o ornitorrinco, nos fala de próteses e espelhos. As próteses seriam extensivas (estendem nossos sentidos) e intrusivas (se intrometem em nossos corpos), mas também magnificativas (ampliam espaços minúsculos, reduzem espaços imensos) e eventualmente deformantes. Os espelhos seriam próteses que não enganam, imagem especular: um duplo absoluto, incapaz de mentir, sem valor indicial; imagem onde tipo e ocorrência coincidem. “Assim, e sempre de um ponto de vista teórico, o que aparece na tela televisiva não é signo de algo: é imagem paraespecular, que é apreendida pelo observador com a fé que damos à imagem especular. [...] Não desconfiamos da TV porque sabemos que, como cada próteses extensiva e intrusiva, em primeira instância não nos fornece signos, mas apenas estímulos perceptivos.” Então, da confiança que temos no espelho - imagem especular -, resultaria uma confiança na televisão em geral, uma tendência a, entregues diante dela, subvalorizarmos as estratégicas interpretativas. Ressaltemos que Eco alerta estar trabalhando "de um ponto de vista teórico", no entanto, se levarmos em consideração a análise de Bernard Stiègler, veremos que também de um ponto de vista prático, a televisão exerce, de toda forma, esta capacidade de suprimir os possíveis julgamentos críticos, agora, não por ser imagem especular ou paraespecular, na qual confiamos, mas por trabalhar, como objeto temporal, em um fluxo que coincide com o fluxo da consciência. "É assim que os mass media se desenvolveram para captar e vender os tempos de consciências, explorando as virtudes específicas dos objetos audiovisuais enquanto estes são temporais. [...] Esta coincidência do fluxo da consciência com aquele de seu objeto permite a adoção do tempo do objeto pelo tempo da consciência. A partir daí, esta consciência pode "viver" seu tempo por procuração, no tempo dos objetos difundidos pelas mídias de massa. Disto resulta que o tempo das consciências, que se sincronizam e se homogeneízam simultaneamente, se tornou a matéria-prima das indústrias da comunicação, pois aquilo que estas indústrias vendem não são programas, mas audiências para telas publicitárias. Os programas servem apenas para atrair as consciências a vender". Assim a televisão, mas também o cinema - que Eco afirma ser signo, do qual desconfiamos - e os vídeo-games, contribuiriam para "destruir o espírito". Destruição do "tempo da consciência", e consequentemente do espírito, pela adoção do tempo do objeto temporal. Ainda que os objetos temporais sejam formadores de consciência ou a consciência ela mesma, como quer Stiègler, eles não são capazes de comunicação. Eles são implantes, próteses intrusivas e constitutivas, incapazes de fundar a subjetividade. Aqui não há interlocução. Para que haja comunicação é preciso duas subjetividades capazes de ser responsáveis por seus gestos e palavras. Daí, uma enormidade de sujeitos semi-incapazes de palavra, quase-incapazes de ser responsáveis por seus atos. Sujeitos constituídos porém minados em suas habilidades para construir um pensamento pessoal, uma crítica, enfim, inaptos a ser responsável pelo seu próprio destino. A telepresença Alguns autores afirmam que um dos fatores que geram o desejo de telepresença advém do medo do mundo real. Um indivíduo pode ter medo do real, e este medo sempre existiu. No entanto, hoje, este medo se torna mais presente pelo fato de que ídolos e "estrelas", têm seus corpos esculpidos e/ou moldados, além de serem muitas vezes apresentados em revistas com "correções" realizadas diretamente sobre as fotografias. Estes seres inexistem, eles são verdadeiros não-lugares (Marc Augé). Muitos adolescentes, incapazes de serem como seus ídolos construídos, rejeitam-se e se fecham, se negam e se entregam à comunicação via computador. Esta comunicação, principalmente em telepresença, embora lenta e enevoada, é possibilidade de encontro com o outro que não está fisicamente presente, possibilidade de encontro e de comunicação, e não necessariamente apenas rejeição do real. Na propaganda, no cinema, nos inúmeros filmes feitos para vídeo que levamos para o seio do lar, não só os corpos são perfeitos mas também estes são sempre vencedores. Na vida real… Algum dia os pais foram ídolos para os filhos, hoje, confrontados a super-homens e mulheres-maravilha, os primeiros estão em posição de cheque mate desde muito cedo. Mentes doentias e sombrias, encarceradas em cubículos cinzas e cidades frias, talvez des-desejem o corpo real, escondam suas dobras flácidas e brancas, mas, isto não é uma regra: o corpo real, nu, torto, gordo e caído se exibe sem complexo, ou com algum complexo, mas verdadeiro e nu, se apresenta em público sem preconceitos e se expondo bizarro se impõe. Acredito que artistas, mostrando corpos "disformes", tais como Richard Billingham, Ron Mueck, Jenny Saville, Joel-Peter Witkin, entre outros, nada mais fazem do que escancarar o corpo do indivíduo-qualquer-um, isto é normal, isto é, longe das regras estéticas impostas ao corpo, hoje. Aquele que teme o real, o presencial, também não se dará em telepresença. A experiência corporal em telepresença, por não permitir o tato, é incompleta, o olfato é, ainda, inexistente. De fato, a experiência da presença espectral é apenas fantasmal, imagem de baixa qualidade sem carne, sem a possibilidade de secreções e contaminações. No entanto, com a Internet e em telepresença relações podem ser mantidas, à distância. Este aspecto é apontado como negativo por alguns autores. As cartas escritas,enviadas por correio,também permitem a existência de relações entre seres humanos que não se viram décadas, e estas nunca foram consideradas negativas: as cartas são documentos importantíssimos quando pensamos nas correspodências entre grandes autores. Nunca foi considerado que escritores formavam guetos por terem assídua correspodênica com aqueles que podiam entender suas colocações. Levinson, no artigo citado, lembra Freud para afirmar que "a escrita é a voz da pessoa ausente". A escrita, de certa forma, também permite a presença espectral, ainda que mais etérea, e não a tememos, mesmo que Sócrates, e recentemente Derrida, nos lembrem de seus perigos como phármakón: remédio e veneno. A telepresença é da mesma ordem: veneno e remédio, no entanto, permitindo a comunicação em tempo real, ela se aproxima do diálogo, do qual Sócrates faz o elogio: palavra viva, lugar da interlocução, diria Doguet. “Enquanto vivo, o lógos provém do pai. Não há, pois, para Platão coisa escrita. Há um lógos mais ou menos vivo, mais ou menos próximo de si. A escritura não é uma ordem de significação independente, é uma fala enfraquecida, de forma alguma uma coisa morta: um morto vivo, um morto em sursis, uma vida diferida, uma aparência de respiração; o fantasma, o espectro, o simulacro (…) do discurso vivo não é inanimado, não é insignificante, simplesmente ele significa pouco e sempre identicamente. Esse significante escasso, esse discurso sem grande responsável é como todos os espectros: errante.” A telepresença é imagem espectral por não ser presença física. O espectro ao qual se refere Derrida é ausência do pai, não tem origem, é imutável e, como tal, morta. A telepresença é presença sensível, ela provém do pai, é lógos vivo. O corpo ausente se presentifica, se amplifica, se multiplica lá onde não mais poderemos o surpreender. O movimento do corpo solitário se vê resgatado pelo corpo do ausente, espectro capaz de diálogo corporal. Gesto reconstituído, corpo remontado em locais outros, outros reconstituídos no monitor frio e o calor do saber-se com. Observação E' preciso que ressaltemos a necessidade de um trabalho crítico. As novas técnicas nos permitem experimentar o inédito. Este, necessariamente, causa encantamento, exatamente como nos contos de fada. O encantamento inibe a capacidade crítica. Há encanto pelo que desconhecemos e alguns, diante das primeiras experiências com novas tecnologias, por confrontarem-se com o novo, logo o denominam arte, esquecendo que a arte deve gerar perceptos e affectos, como queriam Deleuze e Guattari , ou ainda, devem trazer um mundo em si, como queria Mikel Dufrenne. "O elemento ausente, permito-me sugerir, é a pessoa humana. … A arte, …, tornou-se uma área em destruição na vida moderna, … trava uma batalha desesperada contra o desprezo e o abandono final das casas desertas. E' por isso que, com toda a nossa tão gabada eficiência mecânica, com toda a nossa superabundância de energia, alimentos, materiais, produtos, não tem havido qualquer melhoria proporcional na qualidade de vida quotidiana; é por isso que a grande maioria das pessoas "bem instaladas" da nossa civilização vive existências de apatia emocional e torpor mental, de insípida passividade e enfraquecimento do desejo – vidas que desmentem as potencialidades reais da cultura moderna". De fato, vivemos em uma sociedade que apresenta sérios problemas, como nos adverte Lewis Munford, desde 1952 (!), e com certeza a telepresença não será o instrumento para redimensioná-la, mas podemos esperar, como fez Munford, que, tornada arte, ela seja capaz de repovoar a vida e tornar presente a pessoa humana, gerando desejo de presença real e, aí sim e plenamente, permitindo na interlocução a restituição da subjetividade. Bibliografia DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Félix. Qu'est-ce que la philosophie? Paris: Minuit, 1991. DERRIDA, Jacques, A Farmácia de Platão. São Paulo: Iluminuras, 1997. DOGUET, Jean-Paul. “Je, tu, nous : contribution à une philosophie de l’interlocution”, Les Papiers, Collège International de Philosophie, 1999. DUFRENNE, Mikel. Esthétique et philosophie. Tomos I e II. Paris: Klincksieck, 1967. ECO, Umberto. Kant e o ornitorrinco. Ed. Record, Rio de Janeiro, 1997. Tradução de Ana Thereza B. Vieira. DUFRENNE, Mikel. “Esthétique”, em Encyclopaedia Universalis, Tomo III, Paris, 1986. p IRIGARAY, Luce. Être deux. Paris: Grasset, 1998. LEVINSON, Paul. entrevista com Jeremy Turner: www.intelligentagent.com/Levinson_interview.html MEDEIROS, M. B. "Bordas rarefeitas da linguagem artística Performance", in "Performance, cultura e espetacularidade", TEIXEIRA, J.G. Lima Cruz (org.), Brasília: Ed. UnB, 200, p. 31 a 37. ------- (org.) Arte e Tecnologia na Cultura Contemporânea. Brasília: Mestrado em artes/Dupligráfica. 2001. ------- (org.) A Arte Pesquisa. Volumes I e II. Brasília: Mestrado em artes/ANPAP. 2001. MUNFORD, Lewis. Arte e técnica. São Paulo: Martins Fontes, 1986 (1952). STIÈGLER, Bernard. “O preço da consciência”, em MEDEIROS, M. B. De (org.) Arte e Tecnologia na Cultura Contemporânea. Brasília: Mestrado em artes/Dupligráfica. 2001. STIEGLER, Bernard, La Technique et le Temps 2. La désorientation, Paris: Galilée, 1996.